Fávaro destaca programa de recuperação de áreas degradadas em reunião com bancos asiáticos

Fávaro destaca programa de recuperação de áreas degradadas em reunião com bancos asiáticos

Encontro foi realizado durante missão oficial liderada pelo vice-presidente, Geraldo Alckmin, na China. Na ocasião, o BNDES celebrou acordos de mais R$ 9,1 bi para investimentos sustentáveis

Nesta sexta-feira (7), o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, participou de reunião no Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), ao lado do líder da missão na China, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin. Foram realizadas discussões sobre cooperação e sobre financiamento climático e encontro com empresários.

Durante o encontro, o ministro Fávaro apresentou o Programa Nacional de Conversão de Pastagens Degradas em Sistemas de Produção Agropecuários e Florestais Sustentáveis (PNCPD). A iniciativa brasileira visa contribuir com a segurança alimentar e nutricional do planeta e o enfrentamento às mudanças climáticas. A ideia é trazer cada vez mais fomento do exterior para o Programa.

“Identificamos no Brasil 40 milhões de hectares de altíssima potencialidade. São áreas que estão antropizadas e requer um investimento para melhoria do solo. Com isso, será dado um potencial de praticamente dobrar a área produtiva brasileira. O Programa tem um viés total de sustentabilidade e o principal dele é o combate ao desmatamento. Com ele não será mais necessário ampliar as suas áreas de produção sobre as florestas”, explicou Fávaro. “Então, fica o convite para conhecer este projeto”, completou.

Ainda, na ocasião, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) celebrou contratos e cartas de intenção com o China Development Bank (CDB) e com o Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB) no valor total aproximado de R$ 9,1 bilhões, para o financiamento de projetos sustentáveis.

Alckmin se encontrou com o presidente do AIIB, Jin Liqun, quando ambos se comprometeram a aprimorar colaborações e parcerias, particularmente para acelerar e ampliar ações contra as mudanças climáticas.

“Gostaria de enfatizar o quão importante é ter acesso a financiamento como aqueles facilitados pelo AIIB para o enfrentamento das mudanças climáticas”, disse Alckmin. “Antes, a infraestrutura de energia eólica e solar era cara. Hoje, ambas são as fontes de energia mais baratas no Brasil. Precisamos aumentar o financiamento para tornar soluções atualmente caras mais viáveis e competitivas, ajudando assim o planeta”, ressaltou o vice-presidente.

“Expresso nosso entusiasmo por uma parceria mais profunda entre o Brasil e o AIIB. Assim como a notável abundância de recursos de energia renovável que alimentam o Brasil, há muito mais potencial de crescimento entre nós. Tanto o Brasil quanto o AIIB estão unidos em nossa visão de desenvolvimento sustentável”, afirmou o presidente do banco chinês.

Matheus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *