Senador sugere ceder terras em Mato Grosso para afetados por catástrofe no Rio Grande do Sul

Senador sugere ceder terras em Mato Grosso para afetados por catástrofe no Rio Grande do Sul

Proposta envolve converter parte das reservas indígenas em assentamentos e disponibilizar terras na região do Araguaia

Conteúdo/ODOC – O senador Jayme Campos (União Brasil) sugeriu que as famílias afetadas pelas enchentes no Rio Grande do Sul sejam acolhidas em Mato Grosso. Sua proposta envolve converter parte das reservas indígenas em assentamentos e disponibilizar terras na região do Araguaia.

Ele exemplificou com a área de 1,2 milhão de hectares da etnia indígena Parecis e o Vale do Araguaia, destacando que há potencial para a produção agropecuária sem necessidade de novos desmatamentos.

Jayme Campos anunciou que irá propor uma série de debates no Senado para a elaboração de ações de auxílio. Ele mencionou que Mato Grosso já tem um histórico positivo de migração de pessoas do sul para o interior do estado. “Tudo tem que ser estudado, bem pensado, em forma de política pública de desenvolvimento, que envolva municípios, o Estado e a União.  Será um deslocamento de famílias com vocação e prontas para se reconstruírem e ajudarem nosso Estado”, disse.

O senador referiu-se às ondas migratórias que se estabeleceram principalmente na região norte entre as décadas de 1970 e 1980, criando cidades que hoje são referências no agronegócio e possuem altos índices de desenvolvimento social e urbano.

Segundo o senador, o momento é oportuno para Mato Grosso, que atualmente vive uma fase de pleno emprego e ainda não alcançou a densidade demográfica prevista para o início do século XXI. Na época da divisão da região Sul, no final da década de 1970, estimava-se que Mato Grosso teria 9 milhões de habitantes por volta do ano 2000. No entanto, o censo de 2023 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) registrou uma população de 3,6 milhões.

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul relatou que 2,3 milhões de pessoas foram afetadas pelas enchentes; 77.202 estão em abrigos; e 540.188 estão desalojadas. O plano atual é construir cidades temporárias enquanto as áreas atingidas são recuperadas.

Matheus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *