Seja bem vindo ao nosso portal de notícias.

29/02/2024 3:36 pm

Aposentada vê conta aumentar de R$ 300 para R$ 12 mil e juiz condena Energisa a indenizá-la

Juiz da 6ª Vara Cível de Cuiabá, Ramon Fagundes Botelho condenou a Energisa a pagar indenização a uma idosa aposentada que recebeu cobrança no valor cerca de R$ 12 mil, apesar do consumo médio ser de R$ 300. A empresa alegou que o valor se tratava de recuperação de consumo, por problemas na leitura, mas o magistrado entendeu que não ficou comprovada nenhuma irregularidade.  

Na ação, a idosa relatou que recebeu uma fatura de energia elétrica, por diferença de consumo, no valor de R$ 11.978,34 em junho de 2016. Ela disse que mora sozinha e que sempre quitou suas faturas, que tinham média de R$ 300.  

Além disso, ela informou que teve seu fornecimento de energia suspenso e que uma inspeção foi realizada no aparelho de medição da residência, não constatando aumento no consumo, não havendo, portanto, indícios de irregularidade.  

A aposentada então pediu que a Energisa restabelecesse o fornecimento de energia em sua casa, que o débito de mais de R$ 11 mil seja declarado inexigível e que a empresa pague indenização por falha na prestação dos serviços. 

Em sua defesa a Energisa alegou que a cobrança foi feita por causa de uma inspeção realizada na casa da idosa, que constatou um “desvio de fase no borne do medidor”, o que vinha ocasionando uma leitora menor do que aquilo que realmente era consumido. Afirmou que a cobrança por recuperação é legítima.  

Ao analisar o caso o juiz pontuou que a inspeção foi acompanhada pela filha da aposentada, cumprindo o que é exigido. Porém, citou que o laudo pericial não encontrou irregularidades.  

“A conclusão a que se chega é de que a requerida não conseguiu comprovar a suposta irregularidade que deu causa a recuperação de consumo, pois as fotos não demonstram a materialidade, bem como porque a variação no consumo, após a realização da inspeção, encontrava-se dentro da normalidade, mostrando-se indevida a cobrança do valor atinente a recuperação de consumo”.  

Ele entendeu que a interrupção na prestação dos serviços essenciais de água, energia elétrica, telefone e gás configura dano moral. Com isso determinou o restabelecimento do serviço, declarou a inexigibilidade da cobrança de R$ 11.978,34 e condenou a Energisa ao pagamento de R$ 8 mil por danos morais.  

“São notórios os transtornos causados à requerente ante à falha na prestação de serviço pela requerida, posto que ao emitir a fatura indevida e realizar a suspensão no fornecimento, gerou uma insegurança para a requerente, ferindo o seu equilíbrio emocional, na condição de consumidor de energia elétrica, bem este essencial a vida moderna”, justificou.

Fonte: GD

Veja também

GERAL

Prefeito Kalil autoriza concurso público para 100 Guarda Municipal

GERAL

Várzea Grande, Ministério Público e Polícia Judiciária Civil atuam no combate aos crimes e contravenções penais

GERAL

Várzea Grande efetiva Plano de Contenção para combater a Dengue, Zika e Chikungunya

BRASIL| GERAL

Caixa anuncia concurso público com mais de 4 mil vagas

GERAL

SOS CÁCERES Jayme, Wellington e Assis garantem R$ 6,5 Milhões em emendas parlamentar

GERAL

REGRAS ELEITORAIS PROCURADOR-GERAL REAFIRMA COMPROMISSO DA COM A LEGALIDADE