Seja bem vindo ao nosso portal de notícias.

29/02/2024 2:49 pm

Adoçante faz mal à saúde? Entenda a nova recomendação da OMS

OMS deixou de recomendar uso de adoçante para perda de peso ou para evitar doenças como a diabetes

Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a não recomendar o uso de adoçantes artificiais como forma de controle de peso ou até mesmo para reduzir o risco de algumas doenças, como a diabetes. Mas, afinal, quais são os riscos de consumir adoçante?

Esse tipo de produto faz mal à saúde na medida em que estimula, no sistema nervoso central, um hormônio que aumenta a vontade de consumir açúcar, explica o Dr. Daniel Magnoni, nutrólogo na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. “Tanto que o uso prolongado está ligado epidemiologicamente a maiores chances de diabetes, hipertensão e não redução do peso.”

Estudos analisados pela OMS mostraram que, além de não trazer nenhum benefício na redução da gordura corporal em adultos ou crianças, o uso de adoçantes também pode levar a efeitos indesejáveis com o uso prolongado, como o aumento do risco de doenças cardiovasculares e até mesmo de mortalidade em adultos.

A nova recomendação da organização vale para todas as pessoas, exceto para as com diabetes pré-existente. O nutrólogo explica que, esse grupo, para se manter saudável, é preciso reduzir os carboidratos de forma geral, não somente em relação ao consumo de adoçantes.

Embora não seja aliado ao controle de peso, o médico afirma que o adoçante continua sendo mais saudável que o açúcar comum.

“Existem os adoçantes sem açúcar e os derivados de açúcar, que são liberados pela OMS e tem suas características diferentes, não sendo indicados para controle da obesidade, por exemplo. A longo prazo, eles podem levar a excesso de peso, diabetes e doenças cardiovasculares. Quando se trata do açúcar, ele não deve ser indicado para as pessoas”, afirma Magnoni.

O ideal, segundo o especialista, é não usar nem açúcar nem adoçante no preparo de alimentos e bebidas, mas se acostumar com o sabor natural da comida ou usar o açúcar natural — aquele presente nas frutas.

“Para reduzir peso, é preciso reduzir calorias de uma forma geral e gorduras ingeridas também. O ideal é que não se consuma açúcar ou até mesmo nenhum tipo de adoçante, consumindo as bebidas sem nenhum dos dois. Ou seja, é essencial utilizar o açúcar natural presente em frutas, por exemplo”, explica

Além disso, os rótulos desses produtos muitas vezes podem enganar. De acordo com Magnoni, o fato de o adoçante não ter caloria ou açúcar não o torna saudável, “tanto que a recomendação da OMS é clara sobre parar a utilização de qualquer tipo”.

A mudança de hábitos, porém, nem sempre é fácil. Às pessoas que não conseguem, por enquanto, abandonar o adoçante, o médico recomenda o uso do Xilitol e do Eritritol, que causam menos danos a longo prazo.

Confira, abaixo, os tipos de adoçantes existentes no mercado:

  • Sacarina: Seu dulçor é de 300 a 500 vezes maior que o açúcar de mesa, sendo necessária pouca quantidade para adoçar as preparações. Ela é resistente à temperatura de cozimento dos alimentos, possui um sabor residual metálico e nesse sentido, normalmente é utilizada juntamente com outro tipo de adoçante
  • Ciclamato: Resistente à temperatura, com dulçor de 30 a 40 vezes maior que o açúcar de mesa. Pode ser combinada com a sacarina, fornecendo sabor mais doce. Em 1985, foi proibido em decorrência de estudos em animais que associaram sua ingestão ao desenvolvimento de câncer de bexiga. É permitido no Brasil, mas nos EUA não é liberado.
  • Acessulfame de potássio: Dulçor 200 vezes maior que o açúcar de mesa e dentre os adoçantes, é o que possui melhor sabor. Estável a pasteurização e esterilização.
  • Aspartame: Dulçor 200 vezes maior que o açúcar de mesa. Quando submetido a temperaturas maiores que 180ºC, adquire sabor amargo. É contraindicado para indivíduos com fenilcetonúria.
  • Sucralose: Dulçor 600 vezes maior comparado ao açúcar de mesa. Não possui sabor residual e é estável ao aquecimento. Apesar disso, estudos recentes, com metodologia variável, têm levantado que temperaturas maiores que 120º podem liberar substâncias tóxicas.
  • Stevia: Dulçor 300 vezes maior que o açúcar de mesa e identificado a partir de uma planta chamada Stevia rebaudiana. Possui sabor um pouco amargo, que muitas vezes limita o uso.
  • Sorbitol, Xilitol e Eritritol: São adoçantes naturais com segurança bem estabelecida e dulçor semelhante à sacarose, com poucos efeitos colaterais e estáveis à temperatura de cozimento.
  • Entre no canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG.
  • Fonte: Saúde

Veja também

CUIABÁ| SAÚDE

Prefeitura toma medidas para testagem e tratamento de casos de covid-19 em Cuiabá

SAÚDE| VÁRZEA GRANDE MT

Várzea Grande e Rede Comper unem esforços para prevenir contra Dengue, Zika e Chikungunya

SAÚDE| VÁRZEA GRANDE MT

MEDIDAS DE PREVENÇÃO: VÁRZEA GRANDE RECOMENDA HIGIENIZAÇÃO, MÁSCARA, NÃO AGLOMERAÇÃO E VACINA CONTRA A COVID 19

SAÚDE| VÁRZEA GRANDE MT

Saúde de Várzea Grande alerta para medidas e recomendações para se evitar nova onda de COVID-19

SAÚDE

Doméstica deixa emprego pela segunda vez em três anos para cuidar da filha com câncer: ‘Tive que abrir mão’

SAÚDE

Vacina recombinante Zalika contra covid-19 é registrada pela Anvisa